quarta-feira, 22 de outubro de 2014

INVEJA, UM MAL QUE DESTRÓI A ALMA

Aos leitores do Blog da Eternidade com Cristo.
Que Deus fale ao coração de cada um em nome de Jesus.

Acho muito interessante meditarmos sobre esse tema. Pois, quantas vezes essa seta do inimigo tem nos atingido e encontrado espaço em nosso coração nos autodestruindo, e destruindo nossos relacionamentos e até mesmo causando divisões em nossas igrejas.
A inveja é provocada por um sentimento de desgosto, de pesar, pelo bem ou felicidade de alguém, levando o invejoso a desejar intensamente o bem alheio. Claro que você deve conhecer ou ter ouvido falar de alguém que nunca está contente com o que tem e sempre se compara aos outros, afirmando que o que os outros possuem é sempre melhor.
Pois é, essas pessoas estão alojando em seus corações a seta da inveja. O invejoso nunca vibra com o sucesso do próximo. O invejoso busca erros onde muitas vezes não tem. São pessoas amarguradas, insatisfeitas, mal-amadas, carnais. (I co 3:3)
A pessoa invejosa quando vai ao culto, não vibra com a palavra do pregador, não se alegra em adorar ao Senhor, ao contrário, ela busca erros e diz: Você viu o que o pregador fez? Percebeu como ele gritava? Hum… O ministro de louvor estava muito empolgado para o meu gosto, mas parecia estar em uma casa de shows mundanos. A pessoa com inveja no coração não se alegra com a bênção do Senhor, não gosta de ver o próximo brilhar e faz o que for possível para apagar esse brilho.
A inveja tem levado igrejas e ministérios a divisão. Tiago em sua carta diz: “Pois onde há inveja e sentimento faccioso aí há confusão e toda espécies de coisas ruins”. (Tg 3;16).
A inveja abre a porta para Satanás entrar, criando através de sua vida discórdia, confusões e competições. A pessoa que aloja a inveja em seu coração tem dificuldade para falar bem, para abençoar o próximo. Ele não suporta o brilho dos outros, pois vive em trevas.
Você conhece a história da cobra e do vaga-lume?
Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um vaga-lume que só vivia a brilhar.
Ele fugia rápido com medo da feroz predadora e a cobra nem pensava em desistir.
Fugiu um dia, dois dias e nada… Ela não desistia.
No terceiro dia, já sem forças o vaga-lume parou e disse à cobra:
– Posso te fazer três perguntas?
-Não costumo abrir esse procedente para ninguém, mas já que vou te comer mesmo pode perguntar…
-Pertenço a sua cadeia alimentar?
-Não
-Te fiz alguma coisa?
-Não
-Então por que você quer me comer?
– Porque não suporto ver você brilhar.
Que tipo de pessoa é você, cobra ou vaga-lume?
Seja vaga-lume, brilhe, voe alto. Mas não se esqueça tudo vem do Senhor e é para o Senhor. Se alegre com a vitória do próximo, abençoe, profetize e estará trazendo sobre si as mesmas bênçãos. Pois aquilo que o homem ceifar, isso também colherá.

Um forte abraço a todos e tenham um ótimo dia na presença do Senhor.

Obreiro Francisco Bego

Nenhum comentário:

Postar um comentário